Secretaria da Cultura

go!
Cadastro para Jornalistas
Nome:
Email:
Veículo:
Função:
Endereço:
Cidade: Estado: Cep:
Telefone:
Cadastro para Jornalistas


Solicitação de cadastro enviada com sucesso!
Em breve faremos contato.
Memoria | Figuras da Danca
A danca tem muitas historias, e para revelar um pouco delas a São Paulo Companhia de Danca criou a série de documentários Figuras da Danca que traz para voce essa arte contada por quem viveu.
A dança tem muitas histórias, e para revelar um pouco delas a Companhia criou a série de documentários Figuras da Dança, que traz para você essa arte contada por quem a viveu. A série conta hoje com 30 episódios: Ady Addor, Ismael Guiser (1927-2008), Ivonice Satie (1950- 2008), Marilena Ansaldi, Penha de Souza, Antonio Carlos Cardoso, Hulda Bittencourt, Luis Arrieta, Ruth Rachou, Tatiana Leskova, Angel Vianna, Carlos Moraes, Márcia Haydée, Décio Otero, Sônia Mota, Célia Gouvêa, Ana Botafogo, Ismael Ivo, Lia Robatto, Marilene Martins, Edson Claro (1949-2013), Cecília Kerche, J.C Violla, Eva Schul, Hugo Travers, Paulo Pederneiras, Mara Borba, Eliana Caminada e Jair Moraes Janice Vieira. Em 2015 iremos conhecer a trajetória de mais duas personagens: Nora Esteves e Maria Pia Finocchio.

Em 2008, os documentários foram dirigidos por Ines Bogéa e Antonio Carlos Rebesco (Pipoca), em 2009 por Ines Bogéa e Sérgio Roizenblit, em 2010 por Ines Bogéa e Moira Toledo e desde 2011 tem direcão de Ines, diretora da São Paulo Companhia de Danca.

Os programas são exibidos nos canais Arte 1 e Curta!. Os documentários são reunidos em uma caixa de DVDs, acompanhadas de livretos informativos sobre cada artista, com texto de pesquisadores, fotos históricas e cronologia. A série Figuras da Dança não é comercializada. Ela é distribuída para instituições educativas e culturais, principalmente as que contam com biblioteca pública, além de universidades e ONGs.Mais informações: educativo@spcd.com.br.

Célia Gouvea





Paulo Pederneiras
(1951)
Figuras da Dança 2014
Direção: Inês Bogéa


Paulo Pederneiras é diretor, iluminador e cenógrafo. Assina projetos museográficos, de iluminação de óperas e intervenções no Brasil e exterior. Iniciou-se no mundo das artes como iluminador no Grupo
Trans-Forma, de Marilene Martins, em Belo Horizonte, e posteriormente, em conjunto com seus irmãos, um grupo de amigos e o apoio dos pais - que cedem a casa onde moram - tem a iniciativa de fundar um grupo de dança, surgindo assim, o Grupo Corpo. Desde o início, atua como diretor-geral e artístico do Corpo e assina diversos projetos de iluminação e cenografia, que em conjunto com as coreografias de Rodrigo Pederneiras, resultam em uma singularidade artística e brasileira.
Célia Gouvea






Jair Moraes
(1946)

Figuras da Dança 2014
Direção: Inês Bogéa


Jair Moraes tem uma trajetória de vida marcada pela entrega e dedicação à arte da dança. Teve como mestras duas figuras emblemáticas: Tatiana Leskova e Eugênia Feodorova (1925-2007). Dançou durante 8 anos no Ballet Gulbenkian, em Lisboa. Na década de 70, a convite de Carlos Trincheiras (1937-1993)
torna-se primeiro-bailarino no Ballet Teatro Guaíra (BTG), e no ano seguinte, mestre de balé e assistente de ensaio. Assume a direção do BTG em 1994-1996 e depois retoma suas atividades permanecendo nesta instituição até hoje. Foi partner de grandes estrelas da dança e atuou em diferentes partes do Brasil, como diretor, mestre, coreógrafo e consultor artístico. Desde 2003 é mestre, coreógrafo e diretor da Cia. de Dança Masculina Jair Moraes.

Célia Gouvea






Mara Borba
(1951)
Figuras da Dança 2014
Direção: Inês Bogéa


Mara Borba é uma artista sensível. Como bailarina usa a dramaticidade para dar corpo às interpretações e tem sua carreira marcada por seu trabalho como coreógrafa. Nos anos 80 foi bailarina do Balé da Cidade de São Paulo, onde também coreografou. Na década de 90 dançou no Deutscher Nationaltheater, em Weimar, Alemanha. Voltou ao Brasil em 2002, e passou a se dedicar à criação de trabalhos de dança associados a terapias corporais. Mudou-se para Florianópolis, em 2006, onde continua sua carreira com intervenções artísticas, trabalhos de cunho social e de composição musical. Mara possui um olhar múltiplo para a arte.
Célia Gouvea





Eliana Caminada
(1947)
Figuras da Dança 2014
Direção: Inês Bogéa


Eliana Caminada começa sua carreira profissional como bailarina quando ingressa na década de 60 no Corpo de Baile do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Também dançou no Teatro Guaíra, na Companhia Brasileira de Ballet, no Grupo Raízes e na Companhia de Dança Rio. Caminada também desenvolveu trabalhos como coreógrafa, professora e pesquisadora. Deu aulas de balé clássico no Parque de Recreação Darcy Vargas, Escola Estadual de Dança Maria Olenewa, Centro de Dança Rio, e entre outros, e como professora de disciplinas associadas à historicidade da dança na UniverCidade. Hoje é tida como referência na área.
Célia Gouvea






Janice Vieira
(1940)
Figuras da Danca 2013
Direcão: Ines Bogéa


Coreografa, bailarina, professora de danca e acordeonista, Janice Vieira nasceu em Lutecia (SP), e construiu sua trajetoria de 60 anos de carreira permeada pela música, a danca, e o teatro. Aos nove anos, comecou a estudar acordeon na cidade de Itapetininga (SP). Posteriormente, aos treze anos, mudou-se para Sorocaba e deu início aos estudos em balé clássico com Zelia Gentil. Em 1958, tornou-se aluna de Maria Olenewa, período em que criou sua escola de danca; o Studio de Danca Janice Vieira. A partir do encontro com Maria Duschenes, na decada de 60, passou a inserir aulas de danca moderna na metodologia de sua escola. No final da década de 60, Janice cria o Grupo de Danca Expressiva Folclorica, em Sorocaba, influenciada pela movimentacão da capoeira. No início dos anos 70, cria o Grupo Pro-Posicão Balé-Teatro, pioneiro na incorporacão do conceito de danca-teatro no Brasil. Entre os principais trabalhos do grupo, destacam-se Boiacão (1976), Silencio dos Pássaros (1978) e Sacrário (1978). Cria em parceria com a filha Andréia Nhhur, o solo Swan (2006), e as obras O cisne, minha mãe e eu (2008), LinhaGens (2009), além da obra Vis-a-Vis (2012).
Célia Gouvea






Eva Schul
(1948)
Figuras da Danca 2013
Direcão: Ines Bogéa


Nascida na província italiana de Cremona, Eva Schul reinventou a danca moderna e contemporânea no Sul do Brasil. Em 1963, formou-se bailarina pela Escola de Artes Landes, em Porto Alegra (RS). Decobriu a danca moderna apos participar do 1° Congresso da Danca Clássica do Brasil, em Curitiba (PR). Em seguida, viajou para Buenos Aires (ARG) e estudou danca moderna com as professoras e coreografas Renate Schottelius e Ana Itelmann. Nesse período, Eva também estudou a técnica Martha Graham. Em 1964, mudou-se para os Estados Unidos para estagiar no New York City Ballet, onde estudou improvisacão e composicão coreográfica, conscientizacão do movimento e o sistema Laban/Bartenieff. Com importante passagem na área de gestão, Eva contribuiu para a criacão dos cursos superiores de Danca e Teatro na Pontifícia Universidade Catolica do Paraná (PUC/RS); foi assessora-diretora de danca do Instituto Estadual de Artes Cenicas da Secretaria de Estado da Cultura (IEACEN/RS). Entre suas principais criacões, as coreografias Ecos do Silencio, Joplin Blues, Hall of Mirrors, Tiro Liro Livre e Cancão da Experiencia receberam premiacões no Festival de Danca de Joinville.
Célia Gouvea






Cecilia Kerche
(1960)
Figuras da Danca 2013
Direcão: Ines Bogéa


Nascida em Lins (SP), Cecília Kerche foi a bailarina brasileira que mais atuou em apresentacões do balé O Lago dos Cisnes no exterior. Iniciou seus estudos em danca aos 8 anos, na Escola Municipal de Ballet de Osasco. Aos 14 anos, recebeu bolsa de estudos para o Centro Internacional de Dancas Halinda Biernacka, e mudou-se para São Paulo. Em virtude de suas atuacões internacionais, Cecilia recebeu o título de Embaixatriz da Danca concedido pelo Conselho Brasileiro de Danca. Em 1982, ingressou no Ballet do Theatro Municipal do Rio de Janeiro e apos tres anos, foi promovida a primeira bailarina da companhia. Com inúmeras apresentacões no exterior, foi a única bailarina brasileira a atuar no Australian Ballet na década de 90, período em que realiza sua primeira turne para se apresentar em Galas na Europa. Ao longo de trinta anos de carreira, dancou nos principais festivais e galas de danca no Brasil e exterior. Hoje Cecilia atua como ensaiadora no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, e é curadora artística do Festival de Joinville.
Célia Gouvea






J.C. Violla
(1947)
Figuras da Danca 2013
Direcão: Ines Bogéa


J.C. VIOLLA é um artista multifacetado. Nascido em Lins (SP), é bailarino, professor de danca, coreografo e ator. Iniciou os estudos em danca com a mestre húngara radicada no Brasil, Maria Duschenes, discípula de Rudolf Laban (1879-1958) e Kurt Joos (1901-2009), grandes influenciadores na carreira de Violla. No início da década de 70, convidado por Duschenes teve sua primeira experiencia como professor de danca ao ministrar a parte prática de um curso de formacão na Teoria do Movimento de Laban. Em 1975, ele parte para Nova York onde estuda nas renomadas escolas de Alwin Nikolais (1910-1939), Alvin Ailey (1931-1989) e Martha Graham (1894-1991). No mesmo ano, atuou como preparador corporal do show Falso Brilhante, de Elis Regina, onde conheceu Naum Alves de Souza e com quem desenvolveu grande parceria. Na década de 80, recebeu tres premios da Associacão Paulista de Críticos de Arte (APCA); coreografo revelacão, por Valsa para Vinte Veias; e melhor bailarino, por Petrushka, em 1982; e Nijinsky, em 1987. Participou do elenco do primeiro musical no Brasil, Chorus Line, de James Kirlwood (1924-1989) e Nicholas Dante (1941- 1991). Em 2002, recebeu o premio APCA pelo conjunto de sua obra, por Doze Movimentos para um Homem So. Desde 2005, é jurado técnico do quadro Danca dos Famosos, do programa Domingão do Faustão.
Célia Gouvea






Hugo Travers
(1932)
Figuras da Danca 2013
Direcão: Ines Bogéa


Argentino radicado no Brasil, Hugo Travers dedicou sua vida a danca. Aos 20 anos, ingressou no Ballet Nacional de Cuba, por intermédio de Alícia Alonso, e viajou com a companhia em turne pela Rússia, China e outros países. Dancou no Balé de Stuttgart, na Alemanha, ao lado da bailarina Márcia Haydée. Foi contratado para trabalhar na Televisão Nacional Iraniana, com o grupo Pars National Ballet. Retornou a Argentina durante um curto período e mudou-se para o Brasil, em Belo Horizonte, onde fundou, com Paulo e Rodrigo Pederneiras, o Grupo Corpo, permanecendo durante nove anos. Ingressou no Balé da Cidade de São Paulo para assumir diversas funcões, como assistente de direcão, professor, coreografo e maître de balé. Aposentou-se em 2012 pelo Balé da Cidade de São Paulo.
Célia Gouvea






Edson Claro
(1949-2013)
Figuras da Danca 2012
Direcão: Ines Bogéa


Tido por consenso como um dos grandes incentivadores da producão artística no país, Edson Claro rompeu barreiras e preconceitos. Fundou grupos de danca em São Paulo e no Rio Grande do Norte e mudou a forma de se pensar a danca no país ao criar o Método Danca-Educacão Física (MDEF), apostando na multidisciplinaridade e acreditando na ligacão entre danca e educacão física como um processo de educacão. Como criador e educador, trabalhou na Faculdade Integrada de Guarulhos e instituiu o Curso de Especializacão em Método Danca Educacão Física. Na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, em 1990, fundou e coordenou a Pos-Graduacão Lato Sensu - Danca e Consciencia Corporal (1995) e o Curso de Licenciatura em Danca na UFRN (2009). Também criou a Acauã Cia. de Danca (1988), Gaia Cia. de Danca (1990) e a Cia. de Danca dos Meninos (2000). Para Claro, o corpo sempre surpreende quando comeca a dancar.
Célia Gouvea






Ismael Ivo
(1955)
Figuras da Danca 2012
Direcão: Ines Bogéa


Criador, diretor, coreografo, curador. São muitas as facetas de Ismael Ivo. Nascido em São Paulo, foi para Nova York em 1983, ano em que foi convidado para integrar a companhia júnior do Alvin Ailey Dancer Center. Depois ganhou a Europa. Criou em 1984 o Impuls Tanz - Vienna Internacional Dance Festival e anos depois, tornou-se diretor do festival de danca da Bienal de Veneza. É um grande intérprete e entre seus trabalhos destacam-se obras como: Francis Bacon (1993) com direcão de Johann Kresnik, que foi apresentado no Brasil este ano; Tristão e Isolda (1999), que dancou ao lado da brasileira Márcia Haydée, A Paixão Segundo Mateus (2007), Babel: Il Terzo Paradiso (2010), e outros. Radicado na Alemanha há mais de 20 anos, dirigiu a Companhia de Danca do Teatro Nacional Alemão, em Weimar, de 1996 a 2000. Ivo é um dos grandes nomes da danca do Brasil.
Célia Gouvea





Marilene Martins
(1935)
Figuras da Danca 2012
Direcão: Ines Bogéa


Pioneira da danca moderna em Belo Horizonte, Marilene Martins escreve o movimento por meio de gestos e palavras. Dividiu sua carreira entre Belo Horizonte, onde dancou no Ballet de Minas Gerais, sob direcão de Carlos Leite, e no Ballet Klauss Vianna, de Klauss e Angel Vianna; Salvador, onde cursou danca moderna na Universidade Federal da Bahia (UFBA) e integrou o grupo Juventude e Danca e o Grupo de Danca Contemporânea da UFBA, e Rio de Janeiro, cidade em que aprofundou seus estudos em danca. Com o apoio de Rolf Gelewski (1930-1988) fundou a Escola de Danca Moderna Marilene Martins, em Belo Horizonte, em 1969, e o Trans-Forma Grupo Experimental de Danca, em 1971. Com o término do grupo em 1988, Nena, como é conhecida, não parou de criar: estudou decoracão, formou-se em artes plásticas e passou a escrever poesias. Até hoje seus conceitos e sua forma de olhar para uma danca experimental reverberam nos trabalhos da cena da danca mineira.
Ana Botafogo






Lia Robatto
(1940)
Figuras da Danca 2012
Direcão: Ines Bogéa


Nascida em São Paulo, e formada pela Escola Municipal de Bailado, Lia Robatto é uma paulistana que adotou a Bahia para exercer sua arte. Saiu de São Paulo rumo a Salvador (BA), em 1957, para trabalhar como assistente de Yanka Rudzka (1916-2008), na primeira escola de danca em nível superior no Brasil, na Universidade Federal da Bahia (UFBA), onde também atuou como professora e bailarina. É uma grande criadora de grupos e movimentos, como o Grupo Experimental de Danca (GED) e Escola de Iniciacão Artística, que contribuíram para o desenvolvimento da danca local e permitiram que a artista aprofundasse sua pesquisa no questionamento das formulas convencionais da danca. Integrante do Conselho Estadual de Cultura da Bahia, desde 2000, Lia Robatto pensa arte de forma ousada e, acima de tudo, sem restricões.
Célia Gouvea






Célia Gouvea
(1949)
Figuras da Danca 2011
Direcão: Ines Bogéa


A bailarina Célia Gouvea nasceu em Campinas e é um dos grandes nomes da danca paulista. Dividiu sua carreira entre o Brasil e a Europa e integrou a primeira turma do Mudra - Centro Europeu de Aperfeicoamento e de Pesquisa dos Intérpretes do Espetáculo, dirigido por Maurice Bejárt (1927-2007). Ao lado de outros criadores fundou, na Bélgica, o Grupo Chandra - Teatro de Pesquisa de Bruxelas, com direcão de Micha Van Hoecke. No Brasil coreografou para o Teatro de Danca de São Paulo, Teatro Galpão, Corpo de Baile Municipal (atual Balé da Cidade de São Paulo), Célia Gouvea Grupo de Danca, Teatro Guaíra, e outras. É membro fundadora da Cooperativa Paulista dos Bailarinos Coreografos de São Paulo.
Ana Botafogo






Ana Botafogo
(1957)
Figuras da Danca 2011
Direcão: Ines Bogéa


A carioca Ana Botafogo é um dos maiores nomes da danca do Brasil. Aluna da academia de danca da bailarina Leda Iuqui, teve seu primeiro contrato como bailarina profissional no Ballet de Marseille, com direcão de Roland Petit. Na década de 70 foi bailarina do Teatro Guaíra e posteriormente da Associacão de Ballet do Rio de Janeiro. Torna-se a primeira bailarina do Teatro Municipal do Rio de Janeiro em 1981, cargo que ocupa atualmente. Dancou as mais importantes obras do repertorio clássico como solista, entre elas Giselle, de Jean Coralli (1779-1854) e Jules Perrot (1802-1892), considerada pela crítica uma de suas maiores interpretacões. Dancou no mundo todo e teve importantes partners como Fernando Bujones, Jean Yves Lormeau, Julio Bocca, Richard Cragun, Francisco Timbo, Marcelo Misailidis, Vitor Luis, entre outros.
Tatiana Leskova






Sônia Mota
(1948)
Figuras da Danca 2010
Direcão: Ines Bogéa e Moira Toledo

A bailarina, coreografa e diretora Sônia Mota foi uma das figuras mais atuantes da danca paulista na década de 1970. Depois de quatro anos o The Royal Ballet of Flanders, voltou ao Brasil e participou da renovacão do Corpo de Baile Municipal e do Grupo Andanca e do Teatro Galpão. Em 1989, inicia um longo período na Alemanha, onde, além de atuacão como bailarina, coreografa e professora, desenvolve sua metodologia chamada de Arte da Presenca, a qual utiliza o corpo e as limitacões do aluno para que ele encontre suas possibilidades de movimento. Atualmente é diretora da Companhia Palácio das Artes, de Belo Horizonte.
Márcia Haydée






Márcia Haydée
(1937)
Figuras da Danca 2010
Direcão: Ines Bogéa e Moira Toledo

Márcia Haydée é a bailarina brasileira de consagracão mundial, conhecida como a "Callas da danca", por sua grande forca interpretativa. Em sua carreira, atuou no Balé do Marques de Cuevas, mas foi no Stuttgart Ballet, sob a direcão de John Cranko, que no início dos anos 1960, ela se tornou musa do coreografo e foi revelada como grande intérprete e bailarina. Na década de 1970, apos a morte de Cranko, Márcia assume a direcão da companhia e fica a frente durante 20 anos. Trabalhou ao lado de grandes nomes da danca como Richard Cragun, Rudolf Nureyev, Jorge Donn, Maurice Bejárt, John Neumeier.
Luis Arrieta






Décio Otero
(1933)
Figuras da Danca 2010
Direcão: Ines Bogéa e Moira Toledo

Décio Otero, uma das figuras mais conhecidas da danca nacional, foi um dos grandes responsáveis pela guinada da danca brasileira no início da década de 1970 ao fundar o Ballet Stagium. Com a companhia percorreu o Brasil com coreografias que retratassem as situacões do país. Dessa preocupacão nasceram mais de 50 trabalhos ao longo dos quase 40 anos do grupo. Otero também atuou como diretor artístico e organizador de projetos socio-educativos em instituicões e escolas. Sua direcão no Stagium já formou diversos profissionais, de bailarinos a iluminadores de espaco cenico.
Tatiana Leskova






Carlos Moraes
(1936)
Figuras da Danca 2010
Direcão: Ines Bogéa e Moira Toledo

Um dos artistas fundamentais para a consolidacão da danca na Bahia, Carlos Moraes iniciou seus estudos no Rio Grande do Sul, sua terra Natal, e mais tarde se profissionalizou no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, na década de 1960. O professor, maître de ballet, coreografo e diretor chegou a Salvador no início dos anos 1970 para dar aulas de balé clássico para alunas da Escola de Ballet do Teatro Castro Alves (EBATECA). Em pouco tempo, o ensino da danca clássica e a concepcão da danca cenica sofreram grandes alteracões, com reverberacões no campo sociocultural.
Com um trabalho sério, Moraes misturou a danca afro, o balé clássico, a danca moderna e as manifestacões folcloricas, estimulou o convívio entre as bailarinas brancas de classe média e os "capoeiristas", rapazes negros e pobres. Fez da miscigenacão uma matriz dos seus espetáculos.
Antonio Carlos Cardoso





Antonio Carlos
Cardoso
(1939)
Figuras da Danca 2009
Direcão: Ines Bogéa e Sérgio Roizenblit

Antonio Carlos Cardoso iniciou sua aproximacão com a danca em Porto Alegre, sua cidade natal. No início dos anos 1960, seguiu para o Rio de Janeiro, para o Corpo de Baile do Theatro Municipal, onde comecou sua carreira profissional. Depois de ter trabalhado em companhias européias, ajudou a mudar a direcão da danca brasileira ao assumir a direcão do Corpo de Baile Municipal (atual Balé da Cidade) em 1974. Em sua gestão, trabalhou ao lado de importantes coreografos como Oscar Araiz, Victor Navarro e Sônia Mota. Em 1981, participou da criacão do Balé Teatro Castro Alves, companhia que dirigiu com intervalos até 2005. Em Salvador, comecou sua carreira de fotografo, que já lhe rendeu publicacões em respeitadas revistas e catálogos.
Luis Arrieta






Angel Vianna
(1928)
Figuras da Danca 2010
Direcão: Ines Bogéa e Moira Toledo

Angel Vianna, um dos nomes mais importantes na pesquisa do movimento no Brasil, comecou a dancar em Belo Horizonte, com Carlos Leite. O casamento com Klauss Vianna, em 1955, trouxe uma longa e rica parceria na vida e na danca. Fundaram a primeira escola juntos em Belo Horizonte onde já aplicavam a multidisciplinaridade e comecaram a pesquisar o movimento. Na década de 1960, mudam-se para o Rio de Janeiro onde se aproximam do teatro fazendo preparacão corporal para atores. Angel influenciou toda uma geracão com seu conhecimento sobre o corpo. Hoje, além de ministrar aulas e palestras, tem uma faculdade que leva seu nome, no Rio de Janeiro.
Tatiana Leskova






Tatiana Leskova
(1922)
Figuras da Danca 2009
Direcão: Ines Bogéa e Sérgio Roizenblit

Uma das figuras mais importantes da danca brasileira, Tatiana Leskova nasceu em Paris e chegou ao Brasil pela primeira vez em 1942, com a companhia Original Ballet Russes do Coronel de Basil e fixou residencia no país em 1944. Esteve a frente do Balé do Teatro Municipal do Rio por anos e o transformou em uma das companhias mais prestigiadas da danca clássica no Brasil. Para a instituicão, remontou grandes clássicos da danca. Trabalhou com Léonide Massine, de quem se tornou remontadora oficial. Por conta disso, já trabalhou em companhias na Inglaterra, Estados Unidos, Franca (na Opera de Paris, convidada por Nureyev) e Países Baixos.
Hulda Bittencourt





Hulda Bittencourt
(1934)
Figuras da Danca 2009
Direcão: Ines Bogéa e Sérgio Roizenblit

Fundadora da Cisne Negro Cia. de Danca, em 1977, Hulda Bittencourt tem uma longa trajetoria na danca. Atuou como bailarina, coreografa, professora, fundadora de escola e companhia de danca. No comeco de sua carreira, dancou em vários grupos e participou de operas, operetas e musicais. Entre seus trabalhos, destaca-se a montagem anual de O Quebra-Nozes, que supra a 25? temporada seguida. Hulda iniciou seus estudos com Maria Olenewa e teve como professores, Vaslav Veltcheck, Ismael Guiser, Bill Martin Viscount, John O`Brien, Rosella Hightower, Herida May e Shirley Graham.
Luis Arrieta






Luis Arrieta
(1951)
Figuras da Danca 2009
Direcão: Ines Bogéa e Sérgio Roizenblit

Luis Arrieta nasceu em Buenos Aires e chegou ao Brasil, em 1974, a convite de Marilena Ansaldi para integrar o Ballet Stagium. Ao longo de mais de 40 anos de trajetoria como bailarino, coreografo e diretor artístico, constituiu uma das mais destacadas obras na arte da danca produzida no Brasil. Com quase uma centena de coreografias, teve papel decisivo na historia de importantes companhias, como o Balé da Cidade de São Paulo e o Balé Teatro Castro Alves, de Salvador. Ocupou por duas vezes o posto de diretor artístico do Balé da Cidade de São Paulo e foi um dos fundadores e diretor artístico do Elo Ballet de Câmara Contemporâneo, de Belo Horizonte.
Ruth Rachou






Ruth Rachou
(1927)
Figuras da Danca 2009
Direcão: Ines Bogéa e Sérgio Roizenblit

Uma das artistas fundamentais da danca moderna no Brasil, Ruth Rachou iniciou sua carreira no historico Ballet do IV Centenário (1954) e influenciou toda uma geracão da danca. Tem uma extensa carreira profissional como bailarina, coreografa e professora. Como atriz, participou de filmes produzidos pelos estúdios da Vera Cruz, e dancou no balé da TV Record. No Brasil, foi responsável pela disseminacão de algumas dessas técnicas de danca moderna americana e, em 1972, abriu o Espaco de Danca Ruth Rachou, que, além de aulas regulares de técnicas de danca moderna e pilates, é um lugar de reflexão e diálogo sobre as artes cenicas.
Penha de Souza






Penha de Souza
(1935)
Figuras da Danca 2008
Direcão: Ines Bogéa e Antonio Carlos Rebesco

Penha de Souza, carioca criada em Bauru, em 50 anos de carreira percorreu uma trajetoria única, saindo do balé clássico até chegar ao Alongamento Corretivo Postural, método que criou a partir de aspectos da danca clássica, moderna e técnicas de Yoga, RPG e Pilates. Como bailarina, Penha dancou em especiais de televisão pela TV Tupi, TV Rio, Record e TV Paulista. Trouxe de Nova York a técnica de Graham e foi coreografa da Cisne Negro, tendo criado o primeiro espetáculo do grupo: Pulsacion, em 1977. Penha trabalhou e contribuiu para o reconhecimento da danca como profissão no Brasil, foi membro-fundador da Associacão Paulista de Profissionais da Danca (APPD), atual Sindicato dos Profissionais da Danca do Estado de São Paulo.
Marilena Ansaldi





Marilena Ansaldi
(1934)
Figuras da Danca 2008
Direcão: Ines Bogéa e Antonio Carlos Rebesco

Marilena é bailarina, coreografa, produtora, autora e atriz. Foi primeira bailarina do Teatro Municipal de São Paulo, precursora da danca-teatro no Brasil e uma das fundadoras do Balé de Câmara do Estado de São Paulo. Estudou durante tres anos no Balé Bolshoi, onde chegou a se apresentar com primeira bailarina e, de volta ao Brasil, trabalhou com importantes nomes do teatro, da danca e da televisão. Em 1975 orientou sua carreira para o teatro-danca autoral. O caráter inovador e a qualidade artística de suas obras rendem-lhe premios como APCA, Moliere e Governador do Estado de São Paulo. Seus trabalhos baseiam-se em autores como Wilhelm Reich, Clarice Lispector e Heiner Muller.
Ady Addor






Ady Addor
(1935)
Figuras da Danca 2008
Direcão: Ines Bogéa e Antonio Carlos Rebesco

A carioca Ady Addor foi primeira bailarina a atuar em companhias de renome como Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Ballet do IV Centenário, Ballet Nacional da Venezuela, Ballet Nacional de Cuba e American Ballet Theatre, de Nova York. Famosa por sua qualidade como bailarina dramática, encerrou a carreira na danca em 1961, aos 26 anos, e, desde então, dedica-se a família em São Paulo. Montou uma escola no bairro de Pinheiros, o historico Balleteatro. Foi professora do Balé da Cidade e continua sendo uma das mais respeitadas maîtresses de ballet do país.
Ivonice Satie






Ivonice Satie
(1950 - 2008)
Figuras da Danca 2008
Direcão: Ines Bogéa e Antonio Carlos Rebesco

Filha de imigrantes japoneses, Ivonice iniciou seus estudos de danca na Escola Municipal de Bailado de São Paulo aos nove anos. Integrou o Corpo de Baile do Teatro Municipal de São Paulo, atual Balé da Cidade de São Paulo, por 14 anos. Foi bailarina e assistente de coreografia do Ballet du Grand Théatre de Geneve e diretora artística do Balé da Cidade de São Paulo, onde criou a Cia. 2, para bailarinos veteranos. Trabalhou como coreografa convidada em companhias na Franca, Alemanha, Croácia, Suíca, Estados Unidos e Portugal.
Ismael Guiser






Ismael Guiser
(1927 - 2008)
Figuras da Danca 2008
Direcão: Ines Bogéa e Antonio Carlos Rebesco

Argentino, Ismael Guiser chegou ao país em 1953 para ser solista do Ballet do IV Centenário a convite do proprio diretor, Aurélio Milloss. Guiser comecou a dancar somente aos 18 anos, tornando-se solista do Balé de La Plata, em Buenos Aires. No início dos anos 50, seguiu para a Europa, onde trabalhou no Teatro La Scala de Milão e na companhia do frances Roland Petit. Foi coreografo do Ballet do Museu de Arte de São Paulo, para o qual criou suas primeiras coreografias profissionais. Dancou também na extinta TV Tupi. Ainda no Brasil, coreografou para sua propria companhia e fez trabalhos para grupos como o Balé do Teatro Municipal do Rio e o Cisne Negro.
Rua Três Rios 363 | 1º andar| Bom Retiro
São Paulo | SP | CEP 01123-001
Tel: +55 11 3224-1380

Website desenvolvido por VAD