Secretaria da Cultura

go!
Cadastro para Jornalistas
Nome:
Email:
Veículo:
Função:
Endereço:
Cidade: Estado: Cep:
Telefone:
Cadastro para Jornalistas


Solicitação de cadastro enviada com sucesso!
Em breve faremos contato.
Memria | Depoimentos Pblicos
Lia Robatto (1940)
Fotos: Charles Lima/Raquel Couto.
Depoimento Lia Robatto gravado em 08/06/2010, na casa da depoente, 13/12/2010, na sede da SPCD e 5 e 06/05/2011, no Teatro Castro Alves
A dana uma forma muito completa de expresso, voc no depende de mais nada a no ser do seu eu, porque o corpo carrega com tudo, carrega com a emoo a razo e tambm os preconceitos e os medos, as paixes enfim...ento, a gente no precisa de um meio pra se expressar, ns somos o prprio meio e contedo.
Estvamos muito felizes danando com a Yanka e eu, descobrindo minha falha, de no ter contato com a cultura popular l, mergulhei de cabea..conheci todas as festas populares, todas as danas, os candombls da vida..isso pra mim, acho que foi mais forte que a universidade. Foi um aprendizado fantstico.
Como sempre a minha formao toda eu tive muito mais informao de outras linguagens do que da prpria dana. Eu criei um grupo meu, particular, e comecei a criar meus espetculos fora da Universidade.
importante eu ter uma noo e uma proposta minha, conceitual, esttica e formal do que a obra. E sempre eu considero um espetculo inteiro. Pra mim 15 minutos no cabem em uma proposta. E toda arte, com conscincia ou inconscientemente poltica.
Que eu me lembro, dos meus impulsos criativos, eram estmulos, era uma coisa como paixo, irrefrevel, era espontneo, era um coisa que vinha, que brotava assim, que voc no conseguia conter, que eu sentia como se fosse uma fonte de gua que quanto mais gua voc tira, mais sai, ento isso no era nada racional, ento no da pra racionalizar esse processo, s lembro da alegria e do prazer dessa criatividade brotando.
Eu tambm atuei muito na rea de gesto cultural, na rea de direo, administrao, ento voc no s criativo, voc quando desenvolve o lado criativo, voc tem que inserir essa sua criatividade em um contexto vivel de realidade e isso me fez exercer muitas funes administrativas.
Pra dar legitimidade a uma companhia, ela tem que ter sua formao.
Eu aprendi muito no Ax (projeto social), sobre educao, sobre pedagogia, no tem teoria, no tem discurso social, poltico, filosfico, que mude a cabea de uma pessoa se voc no mexer na sua emoo e a arte vai fundo na emoo. E a dana vai alm, porque a dana organiza o corpo e eu acredito muito na metfora, na hora que voc estrutura a sua postura corporal, voc est estruturando sua postura na vida.
O artista tem que ter liberdade total. Mas ele com essa liberdade, com essa subjetividade, ele tem que mudar o mundo.
Rua Três Rios 363 | 1º andar| Bom Retiro
São Paulo | SP | CEP 01123-001
Tel: +55 11 3224-1380
REALIZAÇÃO:

Website desenvolvido por VAD