Secretaria da Cultura

go!
Cadastro para Jornalistas
Nome:
Email:
Veículo:
Função:
Endereço:
Cidade: Estado: Cep:
Telefone:
Cadastro para Jornalistas


Solicitação de cadastro enviada com sucesso!
Em breve faremos contato.
E-mail:
Senha:
Dança em rede
O que é
Dança em Rede?
Uma enciclopédia colaborativa online da dança, que busca conhecer e divulgar a dança do Brasil. Os visitantes podem escrever e editar verbetes com fotos, textos, links para sites de compartilhamentos de vídeos e publicações, em diversas categorias: grupos, escolas, profissionais da dança, companhias, e outros. O Dança em Rede apresenta textos informativos sobre a dança do Brasil e exterior, com o objetivo de ampliar e democratizar o acesso à esta arte.
Seja um colaborador
A plataforma é aberta a todos os interessados. Você pode participar incluindo ou completando verbetes existentes. Para isso, basta se cadastrar gratuitamente em nosso sistema.
Verbete do dia
Carlos Moraes
Categoria: Profissionais da dança
Atividade atual: Bailarino e Coreógrafo
Cidade natal: Caçapava do Sul - Rio Grande do Sul (Brasil)
Nascimento: 09/11/1936
Biografia:
Carlos Moraes nasceu no dia 9 de novembro de 1936, em Caçapava do Sul, no Rio Grande do Sul. Inicia seus estudos de dança com a professora Tony Seitz Petzhold (1914-2000), em Porto Alegre, em 1957.

Formou um grupo em 1958, com Jane Blauth e Rony Leal e em 1959 passa a estudar dança em Porto Alegre com a professora russa Marina Fedossejeva, formada pelo método de Agrippina Vaganova (1879-1951).

Entra para o Ballet do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, em 1961. Participa de aulas com as mestras Tatiana Leskova e Eugenia Feodorova (1925-2007) e integra o grupo Ballet Society, com o qual viaja pelo Brasil. Dança ao lado de grandes nomes da dança nacional, como Aldo Lotufo, Décio Otero, Eleonora Oliosi, entre outros. Com a bailarina chilena Malucha Solari (1920-2005) faz aulas com a técnica de Kurt Jooss (1901-1979).

Em 1963, faz aulas com William Dollar (1907-1986) no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Assina contrato com a TV Excelsior. Começa a estudar a técnica de José Limon (1908-1972) e Marta Graham (1894-1991), no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, com Gilberto Mota.

Em 1964, inicia seus estudos de jazz com Lennie Dale (1934-1994). Permanece por dois anos na TV Globo, onde trabalhou como coreógrafo. Em 1968, integra a Companhia Brasileira de Ballet, dirigida por Arthur Mitchell e em 1969 viaja para a Argentina e para o Chile com o Ballet do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Dança com esta companhia a versão completa de O Lago dos Cisnes. É convidado a integrar o Ballet Brasileiro (grupo de alunos adiantados da Escola de Balé Teatro Castro Alves- Ebateca), sob a direção de Dalal Achcar, com o qual viaja pelo Brasil.

Assina contrato com a TV Tupi, em 1970. Torna-se diretor do Ballet Brasileiro da Bahia e da Ebateca, em 1972. Na Bahia, dá aulas usando a técnica de Nina Verchinina (1912-1995). Em 1975, volta para o Rio de Janeiro e torna-se maître de ballet do Theatro Municipal.

Em 1979, torna se maître de ballet convidado do Balé da Cidade de São Paulo, cargo que ocupa até 1986. Ainda como maître, atua na fundação do Balé Teatro Castro Alves (BTCA), em 1981, e em 1985, assume a direção artística da companhia, onde permanece por dois anos.
Recebe medalha de Honra ao Mérito, em 1998, por serviços prestados à dança na Bahia. Em parceria com Marília Nascimento e Gal Villasboas inaugura sua
própria escola de dança, a Advanced Ballet, e remonta Rytmetron e Suíte Coppelia.Em 2000, assume o cargo de coreógrafo da Orquestra Afro-Baiana do Pelourinho.

Em 2001, ministra curso de técnica de balé clássico no Festival de Dança de Joinville, em 2002, é convidado a participar do conselho consultivo e, em 2004, participa como jurado. No mesmo ano, assume a direção da Companhia Ilimitada, até 2007, criada pela Fundação Cultural do Estado da Bahia, com bailarinos com mais de 35 anos, egressos do Balé Teatro Castro Alves.

Para saber mais sobre Carlos Moraes acesse o livreto produzido pela São Paulo Companhia de Dança para o Projeto Figuras da Dança, que homenageou o artista em http://www.saopaulocompanhiadedanca.art.br/folhetos_figuras_da_danca.php


Principais trabalhos:
1958 Cria Variações de Brahms Sobre um Tema de Haydn.
1961 Dança Études, Les Indes Galantes e Iara, de Harald Lander (1905-1971). Viaja à Argentina para dançar no filme Taras Bulba, direção de J. Lee Thompson (1914-2002).
1963 Dança Constanza e O Combate, de Dollar.
1965 Cria o espetáculo de inauguração da TV Globo, Viva a Música, com Marília Pêra e Gracindo Júnior, sob a direção de Maurício Shermann.
1966 Coreografa para Carlos Machado na boate Fred’s, em Copacabana.
1967 Participa da reinauguração do Teatro Castro Alves, com coreografias
de Glória Contreras e Arthur Mitchell, ex-bailarino do New York City Ballet e discípulo de George Balanchine (1904-1983).
1971 Monta o espetáculo A Morte do Pescador.
1972 Coreografa O Guarani.
1972 Coreografa para a peça Nosso Chão Tem Mais Estrelas, direção de Deolindo Checucci. Coreografa e dança Espanhola.
1973 Coreografa Visões da Bahia para o Ballet Brasileiro da Bahia, com música de Emília Biancardi.
1975 Cria Bahia de Ontem, Hoje e Sempre para o Ballet Brasileiro da Bahia.
1976 Coreografa Modulações Concretas, com música de Marlos Nobre, para o Theatro Municipal do Rio de Janeiro.
1977 Coreografa Auto de Natal para a Academia de Ballet Tatiana Leskova, no Rio de Janeiro.
1978 Remonta para a Ebateca A Bela Adormecida, coreografia de Marius Petipa (1818-1910).
1979 Cria Alegria e Glória de um Povo para o Ballet Brasileiro da Bahia e acompanha o grupo em turnê pela Europa. Remonta Giselle para Áurea Hammerli em Salvador.
1980 Coreografa A Corte de Oxalá, Pronominare e A Morte e a Morte de Quincas Berro D’Água.
1982 Coreografa Saurê, um dos grandes sucessos do BTCA. Para comemorar 20 anos da EBATECA remonta O Lago dos Cisnes, coreografia de Marius Petipa.
1983 Cria Iê Camará para o BTCA.
1986 Coreografa Simoa, com roteiro de Olívia Barradas, para o Balé Teatro Castro Alves, e Juliana, a convite da Cisne Negro Cia. de Dança, de São Paulo.
1987 Coreografa O Descobrimento do Brasil em comemoração aos 25 anos da Ebateca, Sonho de uma Noite de Verão e La Boutique Fantastique;
1989 Remonta Petroushka, coreografia original de Michel Fokine (1880-1942), para a Ebateca da Graça.
1990 Remonta La Fille Mal Gardée e O Quebra-Nozes para a Academia de Ballet da Bahia, que contam com a participação de Ana Botafogo. Remonta também DomQuixote para o Ballet do Bahiano de Tênis, com participação de Cecília Kerche.
1993 Sob direção de Paulo Dourado, coreografa Lídia de Oxum, a primeira ópera negra na Bahia. Para o Advanced Ballet monta Variações de Brahms e O Jardim Encantado.
2001 Cria para a Orquestra Popular da Bahia Natal Caboclo e Do Entrudo ao Zé Pereira. Para o Advanced Ballet remonta Who Cares, de George Balanchine (1904-1983), e cria O Milagre da Violeta.
2002 Cria para a Orquestra Popular da Bahia África Adeus e No Tabuleiro da Baiana. Para o Advanced Ballet coreografa Ora Ye Ye ô e A Dança do Sol e da Lua.
2003 Cria Rabboni para a Orquestra Popular da Bahia. Remonta a suíte do balé Dom Quixote para o Advanced Ballet.
2004 Cria para a Orquestra Popular da Bahia Passos da Paixão. Remonta para o Advanced Ballet Noite de Walpurgis e cria O Maior de Todos os Segredos.
2005 Coreografa O Advento para a Orquestra Popular da Bahia. Remonta Diana e Action e Cinderella para o Advanced Ballet.
2007 Cria para o Advanced Ballet Caminhos e remonta para a mesma escola La Fille Mal Gardée.
2008 Remonta para o Advanced Ballet Sonho de uma Noite de Verão.
Videografia:
http://www.youtube.com/watch?v=fzLjxrrXv5M
Links:
(Pesquisa SPCD)

Carlos Moraes | Foto: Arquivo pessoal Carlos Moraes

Carlos Moraes | Foto: Arquivo pessoal Carlos Moraes

Carlos Moraes | Foto: Arquivo pessoal Carlos Moraes
Rua Três Rios 363 | 1º andar| Bom Retiro
São Paulo | SP | CEP 01123-001
Tel: +55 11 3224-1380

Website desenvolvido por VAD